Mulheres têm bumbum deformado em tratamento e acusam biomédico de erro

Mulheres de pelo menos três estados diferentes acusam um biomédico de Brasília de causar danos irreversíveis à saúde e à estética após passarem por um procedimento de luxo no bumbum. Os relatos são sempre semelhantes, mostrando como ter passado por um caro “tratamento” para dar volume ao glúteo acabou gerando dores, inflamações, infecções e até risco de morte, com paciente em UTI. Os casos, que começaram com pequenas injeções, se transformaram em grandes investigações policiais e imbróglios jurídicos.

O Metrópoles analisou documentos, ouviu cinco vítimas e duas testemunhas e traz alguns desses depoimentos. Todos levantam acusações contra Rafael Bracca. Biomédico, nutricionista e influencer, com mais de 60 mil seguidores no Instagram, ele vende cursos na internet, tem clínica na Asa Sul (DF) e em Barueri (SP) e fez fama com o “protocolo TX-8”, para preenchimento de glúteos.

Nas redes, ainda divulga a polêmica ozonioterapia e já chegou a defender a hidroxicloroquina como forma de tratamento contra a Covid-19, na pandemia. Mesmo não sendo médico, divulga que tem protocolos voltados para esquizofrenia, depressão, ansiedade, diabetes, TDAH e até autismo, que promete “reverter sintomas”. Para vender um curso voltado principalmente para biomédicos, ele diz que tem 20 anos de carreira, mas se formou na área em uma faculdade particular de Brasília em junho de 2019.

Segundo Bracca, o TX-8 é um tratamento “exclusivo e único”, que usa materiais bioidênticos, ou seja, que são produzidos naturalmente, e mescla vitaminas, minerais, aminoácidos e estimulantes de força, por exemplo, para dar volume ao bumbum, sem envolver qualquer tipo de corpo estranho ao organismo. Porém, pacientes que tiveram problemas de saúde suspeitam do uso de uma substância proibida, chamada Synthol.

Reforçando as suspeitas, Bracca responde a um indiciamento da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) por tráfico de drogas, após a corporação ter encontrado outras fórmulas proibidas na clínica dele da Asa Sul, em fevereiro deste ano. Há ainda outros boletins de ocorrência em aberto contra o biomédico, no DF e em São Paulo.

Polícia Civil encontrou fórmula proscrita, ou seja, proibida, na clínica de Rafael Bracca, na Asa Sul

“Achei que ia morrer”

A maioria das pacientes que denuncia o biomédico relata uma história que começa igual. Elas conheceram Rafael Bracca pelo Instagram e tiveram o primeiro contato com o chamado “protocolo TX-8”. Foi assim com Daniela Pires, empresária de 44 anos, moradora de São Paulo. “Ele me explicou como seria, disse que não tinha contraindicação, que era 100% seguro e que o material era bioidêntico ao corpo, mas permanente. Fiz aplicações no glúteo e na coxa em março de 2022”, conta.

Daniela começou a observar os problemas já nas primeiras aplicações, sentindo dores e inflamação nos locais em que Bracca injetava os produtos, mas ele contornava a situação tentando tranquilizar a paciente, dizendo que as reações eram normais e passando remédios e óleos.

“Depois de um ano, comecei a ficar doente, sentindo muita febre, muitas dores no quadril e no glúteo. Eu sempre relatava a ele que não estava bem, mandei exames alterados. Mas ele dizia que eu estava com infecção urinária, alegava que a minha imunidade estava baixa. Teve um dia em que eu estava bem mal, ele precisou me aplicar corticoide e benzetacil. Mas eu não melhorava.”

A empresária diz que era uma pessoa saudável antes de entrar na clínica de Bracca, mas teve a vida mudada completamente. Se antes o biomédico falava que o “TX-8” não tinha nenhuma contraindicação, apenas precisava ser feito em comum com treinos na academia, depois, passou a culpar a paciente, afirmando que ela teve problemas porque tomou sol, ou não bebeu água ou ficou com a imunidade baixa. Enquanto isso, passava mais tratamentos, todos com custos altos.

window._taboola = window._taboola || [];
_taboola.push({
mode: “rec-reel-2n5-a”,
container: “taboola-mid-article-reco-reel”,
placement: “Mid Article Reco Reel”,
target_type: “mix”
});

“Cheguei a gastei uns R$ 30 mil. Mas comecei a ir ao hospital uma vez e outra. Até que me internaram e viram que eu estava com uma infecção na região de glúteo e pernas. Fiquei internada 16 dias e, depois, mais 20 em home care. Eu achei que iria morrer, não conseguia andar, tinha crise de enxaqueca, entrei em um quadro de ansiedade grande, porque ninguém sabia o que era, como ajudar”, relata.

Daniela explica que até hoje não sabe ao certo o que foi injetado nela durante o tratamento para o bumbum. Mas, durante o período de internação, ela diz ter sido visitada por uma enfermeira que trabalhava para Bracca, que também relatou não saber ao certo o produto usado, mas contou já ter visto frasco de Synthol na clínica. Os exames da empresária mostram alterações inflamatórias/infecciosas.

Laudo de paciente mostrando Alterações inflamatório/infecciosas dos ventres musculares dos vastos laterais bilaterais
Exame foi feito em agosto deste ano

As pacientes que relataram os problemas ao Metrópoles enviaram fotos do resultado negativo do procedimento. A reportagem optou por não identificar quais são as pacientes correspondentes de cada imagem para preservar a identidade delas. Veja:


0

“Vi vidro de Synthol”

Uma família de Brasília procurou o biomédico influencer para realizar tratamentos diversos com ele. Com receio de se identificarem, eles contaram problemas graves envolvendo todo o processo de atendimento na clínica de Bracca.

Uma das pacientes desse grupo familiar, que se submeteu ao famoso “TX-8”, também foi parar no hospital, convive com dores constantes e hoje procura um cirurgião plástico para tentar reverter o quadro, mas já ouviu de especialistas que seria preciso tirar uma parte do glúteo, “fatiando” o bumbum para retirar o produto aplicado.

Ao enfrentarem problemas de saúde, os pacientes começaram a questionar Bracca. “A gente perguntava o que estava sendo aplicado, mas ele não revelava completamente, dizia que o protocolo era patenteado e era segredo o que ele utilizava. Argumentava que não divulgava pra ninguém utilizar.”

Eles relatam que o biomédico preparava escondido as seringas para aplicação de substâncias, e já chegava com o material pronto para ser injetado. “Certa vez, aumentou exponencialmente o custo do tratamento, chegou até a dobrar o valor. Ele justifica dizendo que o valor do material aumentou muito, porque importa produtos dos Estados Unidos e da Alemanha. Na época, ele me mandou detalhado alguns desses itens. Um desses era o Synthol, custando R$ 900 e pouco. Acho que não foi intencional revelar, porque ele só me encaminhou a conversa com o fornecedor.”

Na mesma semana, os pacientes da família foram até o consultório e chegaram a flagrar um frasco antes do biomédico retirar o rótulo. “Quando entramos na sala, ele estava na recepção ainda. Sentamos e eu vi na mesa o vidro de Synthol, que talvez tinham acabado de entregar. Eu perguntei se ele usava aquilo, mas ele já foi tirando o rótulo, entrando em uma salinha.”

Essa substância ficou famosa após a morte de Valdir Segato, conhecido nas redes sociais como o “Hulk brasileiro”. Ele dizia usar o Synthol, que é um óleo mineral que costuma ser injetado nos músculos para deixá-los maiores e inchados, proporcionando efeito quase imediato. No Instagram, Bracca já chegou a postar que o protocolo dele, que seria totalmente natural, apresenta resultado “desde a primeira” sessão.


0

Segundo estudos, o Synthol traz efeitos colaterais múltiplos, podendo causar danos aos nervos, embolia pulmonar por óleo, oclusão da artéria pulmonar, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e complicações infecciosas.

Uma das familiares que se tornou paciente de Bracca passou por diversas consultas e perícias médicas. Em uma delas, foi constatado a existência de material “oleoso” nos locais das aplicações. A vítima relata que um médico indicado por Bracca havia dito que o Synthol seria um “medicamento de uso legal no Brasil.” Mas esse material oleoso em questão não é sujeito a receita e não há qualquer indicação médica para uso em humanos ou para aumentar a massa muscular.

Exame de paciente de Rafael Bracca
Exame mostra material oleoso colhido em local de aplicação de substâncias do tratamento TX-8

“Estou orando por você”

Natalia Teixeira, 39, é uma empresária de Brasília que divide a história de vida entre o antes e depois de fazer o “procedimento TX-8”. Ela também conheceu Rafael Bracca pelas redes sociais e acompanhou as “histórias de sucesso” que ele postava, principalmente relacionadas aos tratamentos nos glúteos. Com casamento marcado para junho deste ano, ela começou os procedimentos em novembro de 2022.

“Ele disse que não havia possibilidade de rejeição ou de nenhuma intercorrência no tratamento, porque usava bioidênticos e várias vitaminas. Perguntei quais eram os ativos da fórmula, mas acredito que nenhuma paciente saiba”, lembra. Após avaliar os exames de Natalia, Bracca alegou um problema hormonal e ofereceu ainda um tratamento para isso, no custo de R$ 3 mil, que se somou aos R$ 16.500 do procedimento no bumbum.

“Começamos a fazer, ele aplicou duas ou três vezes nas primeiras sessões. Nas demais, foram as colaboradoras dele. Vim fazendo sessões e, no decorrer, houve um interesse em dar volume também na coxa. Paguei mais um valor para fazer o TX-8 na coxa. Aí começaram os meus problemas.”

A paciente conta que teve dores, viu a coxa começar a inchar e ficar quente, mesmo seguindo todas as recomendações que o biomédico havia passado. Até que, em abril, ela precisou ir para a emergência de um hospital. “Achei que estava com uma trombose. Chegando lá, fui atendida no pronto-socorro, fiz exames e eles mostraram alteração no sangue e no exame clínico, e identificaram como celulite bacteriana.”


0

Com esse resultado, Rafael então alegou que trataria o problema na clínica dele, e fez outras aplicações. Mas as intercorrências voltaram na lua de mel, após o casamento, com dores. “Vi que meu bumbum ficou com uma mancha avermelhada, endurecida, e isso foi piorando. Eu andava e a perna inchava. Achei que ia morrer, não tinha condições do jeito que estava. Mas mandava mensagem e ele dizia que era inflamação, porque eu tinha viajado, porque a alimentação estava diferente, e pediu para eu ir na clínica voltando de viagem.”

No retorno, Natalia conta que passou por procedimentos como hemoterapia, ozonioterapia e aplicação de um bloqueador, com Bracca. “Três dias depois, acordei com falta de ar, taquicardia e um cansaço muito grande. Foi quando ele me deu uma receita de exame de sangue e, na hora de fazer, a clínica disse que havia um problema com o CRM do médico responsável pelo consultório do Rafael e o plano de saúde não tinha autorizado. Aquilo foi como se tivesse acendido uma luz de que estava tudo errado”, comenta.

Natalia voltou ao hospital, com dores e vários hematomas, e acabou internada, quando recebeu diagnósticos de reação a corpo estranho, bactérias e celulite. Daquele dia em diante, ela passou por alta e mais três internações, sempre ficando um tempo no hospital, voltando para a casa, piorando e retornando ao socorro médico. Ao todo, somando, foram 70 dias de internação, passando até por uma UTI.

Enquanto estava no hospital, a empresária mandava mensagens para Rafael, que chegou a dizer: “Estou orando por você, fazendo jejum por você”. Natalia relata ainda ter feito punção e tirado parte da substância do bumbum. “Sei que é um óleo, mas não sei qual. E todos os médicos falam o mesmo: esse produto jamais deveria ser colocado onde ele está. Esse tratamento poderia ter me matado. Se eu não tivesse ido ao hospital, eu teria morrido”, explica.

Em contato com cirurgiões plásticos, ela ouviu que a retirada total do produto só poderia ser feita em uma cirurgia mutilante, com grande corte e que não teria resultado estético agradável, porque o corpo criou uma espécie de cápsula em volta do produto e corria o risco de contaminar a área que não tinha tido contato com as bactérias diagnosticadas.

A empresária ainda conta que não conseguiu voltar à vida normal que tinha, não pode realizar grandes movimentos e está com o acesso no meu braço recebendo medicação. “É um grande desgaste ir todo dia ao hospital. Estou fazendo acompanhamento com um médico particular, que me fala que preciso considerar meu problema como doença crônica, que vou lidar pelo resto da vida. Ainda não consegui digerir. Me gerou um trauma”, finaliza.

O indiciamento

Após as diversas denúncias, o biomédico influencer passou a ser investigado. Uma busca e apreensão contra ele, autorizada pela Justiça, fez com que agentes da 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) encontrassem, na clínica da Asa Sul, 200 unidades de cápsulas vermelhas de uma outra fórmula ilegal, a metilhexanamina (DMAA), que auxilia no emagrecimento, mas foi proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 2012 por aumentar riscos de surgimento de doenças cardíacas, hepáticas e renais, por exemplo.

No processo de investigação daquele fato, a Polícia Civil tentou ouvir Rafael Bracca, mas não conseguiu. Foram várias “tentativas de interrogatório”, como consta o relatório de indiciamento, mas o depoimento não foi colhido “por falta de interesse dele”.

“Inicialmente, houve intimação de Rafael Bracca por meio de contato telefônico com sua advogada para o dia 17/02/2023, contudo, no dia marcada, apenas sua advogada compareceu para informar que ele não poderia participar da oitiva porque estava trabalhando. Nesse mesmo dia, foi deixada nova intimação com a advogada para oitiva no dia 13/03/2023, após muita dificuldade em encontrar uma data que não chocasse com a agenda de seu patrono. Contudo, mesmo assim, novamente não compareceu e nem justificou.”

O indiciamento foi encaminhado à Justiça. A defesa do biomédico chegou a argumentar, nos autos, que ele não sabia que o material apreendido era proibido, pois havia, no site da compra, um número que indicaria o registro na Anvisa. Os advogados também alegaram que a substâncias seriam para uso pessoal.

O Ministério Público contestou os argumentos. Em manifestação do dia 20 de novembro deste ano, o MP lembrou que os materiais apreendidos são “proibidos há bastante tempo”, e ainda pontuou que Bracca é biomédico e frequentador de academia, então “não possui um juízo leigo sobre o que é permitido ou proibido”. O órgão também não ofereceu proposta de Acordo de Não Persecução Penal (ANPP) ao denunciado, afirmando que “há claros indícios de conduta criminosa profissional, reiterada e habitual, considerando que ele responde a outra ação penal”.

O que diz o biomédico

Procurado, o biomédico negou todas as acusações e se manifestou por meio de nota. Leia abaixo, na íntegra:

Nota explicativa by Metropoles on Scribd


Posted

in

by

Tags:

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *