Depressão em idosos: amigas de 4 décadas encontraram saída juntas

Elvira Soares, de 72 anos, e Francisca Moura, de 75 anos, enfrentaram juntas um problema que, muitas vezes, permanece invisível à sociedade: a depressão em idosos. Amigas há 41 anos, elas se deram as mãos para superar tristezas e decepções e seguir acreditando que a vida vale a pena.

As duas contam que já sentiam alguns dos sintomas da depressão na fase adulta. Mas, conforme a idade avançava e questões como solidão, ansiedade e insegurança se tornaram mais presentes, eles se intensificaram.

“Sempre carreguei essa tristeza e angústia comigo, mas aumentou com a aposentadoria e com o fato do meu casamento ter acabado. Passei a me sentir inútil e não tinha vontade de nada. Não queria tomar banho, nem pentear o cabelo”, afirma Elvira, ex-auxiliar de limpeza.

Para Francisca, o sinal de alerta veio com variações de humor constantes e alterações nos hábitos de alimentação. “Estava muito mal, mas não tinha discernimento sobre o que era. Sabia que era algo nervoso, mas não conseguia entender exatamente”, afirma.

Francisca vivia dificuldades dentro de casa e achava que sua tristeza se justificava pelos rumos que a vida tomou. “Testemunhei um filho se tornar usuário de drogas e, além dos meus próprios, precisei criar os filhos o meu marido sozinha, pois ele não me ajudava”, lembra Francisca, que também trabalhava como auxiliar de limpeza.

Fatores de risco

A psicóloga Eduarda Freitas, pesquisadora de Gerontologia da Universidade Católica de Brasília (UCB), explica que a depressão em idosos é um problema invisibilizado na nossa sociedade. Segundo ela o etarismo, preconceito praticado contra pessoas de idade avançada, faz parte da cultura brasileira, o que acaba isolando as pessoas mais velhas.

“Família, sociedade e até governo sabem da existência do problema, mas negligenciam o bem estar e a saúde do ser humano nessa fase da vida”, lamenta a pesquisadora.

A especialista acrescenta que fatores de estresse, como diminuição da funcionalidade, desenvolvimento de doenças crônicas, morte de pessoas queridas, mudanças de papéis e solidão, agravam o quadro, contribuindo para o desenvolvimento da doença.

Solidão entre idosos

Uma pesquisa publicada na edição de julho da revista científica Cadernos de Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), constatou que boa parte dos idosos brasileiros tem queixas relacionadas à saúde mental. De acordo com o trabalho, cerca de um terço deles relata sintomas depressivos e 16% se sentem solitários.

window._taboola = window._taboola || [];
_taboola.push({
mode: “rec-reel-2n5-a”,
container: “taboola-mid-article-reco-reel”,
placement: “Mid Article Reco Reel”,
target_type: “mix”
});

Os autores entrevistaram cerca de 9 mil pessoas e observaram associações significativas entre a solidão e os sintomas depressivos. Segundo o gerontologista Paulo Afonso, autor principal do estudo, a solidão é quatro vezes mais frequente em idosos com sintomas depressivos em relação aos demais entrevistados.


0

“O ideal é que as pessoas próximas, familiares ou amigos, saibam reconhecer os sinais de depressão e conduzam o idoso para o tratamento”, aponta o especialista. “A solidão em idosos é, muitas vezes, vista como algo comum e natural da vida, ou seja, há uma visão estereotipada de que velhos são naturalmente tristes e solitários. No entanto, se esse estado causa sofrimento mental, ele piora muito a qualidade de vida das pessoas de terceira idade”, alerta o especialista.

Sinais de alerta

A professora Eduarda Freitas, da UCB, explica que alguns sinais de alerta para a depressão em idosos são:

  • Diminuição dos movimentos corporais;
  • Perda de peso associado a perda de apetite sem motivo aparente;
  • Insônia;
  • Diminuição na frequência de atividades de vida diária;
  • Deixar de praticar hobbies;
  • Irritabilidade;
  • Mudança repentina de humor;
  • Necessidade de isolamento constante;
  • Introspecção.

Atividades como saída

A tristeza recorrente empurrou Francisca para procurar ajuda, foi quando ela passou a fazer terapia na Universidade Católica de Brasília. Lá também descobriu atividades de lazer e conheceu novas pessoas.

A universidade possui um projeto chamado Centro de Convivência do Idoso (CCI), que busca oferecer atividades ocupacionais para o grupo etário. Atualmente, a iniciativa atende aproximadamente 200 pessoas.

“As atividades me fizeram tão bem, que queria compartilhar o momento com mais pessoas. Foi aí que pensei na Elvira, que precisava de ajuda tanto quanto eu. Via nela um desgosto pela vida, e decidi convencê-la a vir”, conta Francisca.


0

“Foi muito bom ter vindo para cá, agradeço demais a Francisca. Quando chego em casa, meus problemas estão todos lá de novo. Mas, aprendi um jeito melhor de lidar com eles. Já não sou desanimada como antes, pois percebo que a minha vida continua e tem que continuar”, desabafa Elvira.

Siga a editoria de Saúde no Instagram e fique por dentro de tudo sobre o assunto!


Posted

in

by

Tags:

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *