Ataque à CVTelecom: ARME e operadora com investigações independentes

Nesta segunda-feira, 23, o administrador da
CVTelecom pela área técnica, Francisco Almeida, revelou, durante uma
conferência de imprensa, que decorre uma investigação forense para apurar as
causas e a origem do ataque cibernético à empresa, ocorrido na madrugada do dia
19.

Segundo este responsável, inicialmente o
ataque afectou os serviços de SMS, mas à medida que a investigação avançou,
ficou claro que outros serviços da empresa também foram impactados.

No entanto, Almeida enfatizou que “em nenhum
momento, determinados serviços foram afectados plenamente, como seja o serviço
móvel e o serviço de IPTV”.

“Nós estamos a falar de um incidente
malicioso e criminoso e, como tal, paralelamente a todo o trabalho de
normalização, assiste-se aqui à necessidade de uma investigação de carácter
forense, que decorre neste momento. É o que possa avançar e, seguramente, será
conclusivo em termos de apuramento das causas e da origem”, frisou.

O administrador para a área técnica também
assegurou aos clientes que todos os serviços serão restabelecidos, com foco na
continuidade do atendimento e afirmou que a empresa adoptou medidas rigorosas
para isolar o problema e garantir a segurança dos serviços.

“Nós estamos a desenvolver um trabalho, como
disse, de investigação, paralelamente ao processo de restabelecimento do
serviço, e, até ao momento, não temos indícios nenhuns de que esses dados (dos
clientes) tenham sido comprometidos”, referiu.

ARME monitora
acções correctivas da empresa

Também na segunda-feira, a ARME anunciou que
iniciou uma investigação para entender o ataque cibernético contra a CVTelecom
e monitorar as acções correctivas adoptadas pela operadora.

Segundo um comunicado da agência reguladora,
ao tomar conhecimento deste incidente, a entidade encetou imediatamente as
devidas diligências para se inteirar do sucedido e acompanhar, igualmente, as
medidas correctivas adoptadas pela operadora com vista à resolução do ocorrido.

“Tudo porque os operadores devem adoptar
medidas adequadas à prevenção, gestão e redução de riscos para segurança das
redes e serviços, visando, em especial, impedir ou minimizar o impacto dos
incidentes de segurança nas redes interligadas, a nível nacional e
internacional, e nos utilizadores, em conformidade com o estatuído no nº 1 do
artigo 52ºB do Regime Jurídico Geral aplicável às redes e serviços de
Comunicações Electrónicas”, lê-se.

Depois de auscultar a operadora CVTelecom e
de esclarecer as causas que levaram à perturbação dos serviços, bem como o
tempo de restabelecimento dos mesmos, a ARME garantiu que nos termos das suas
competências, adoptará medidas que se impõem, ao abrigo da lei.

Este não é o primeiro
ataque de pirataria informática em larga escala a acontecer em Cabo Verde. Em
Novembro de 2020 os serviços da Rede Tecnológica Privativa do Estado (RTPE)
foram temporariamente suspensos após um ataque de Ransomeware.

Na altura, em declarações ao Expresso das Ilhas, o PCA do
NOSi, Carlos Pina, referiu que havia indícios de que se tratava de “uma rede criminosa
internacional que tem células espalhadas por vários países” e que, apesar de
não haver evidências nesse sentido, estava em aberto “a possibilidade de
podermos, eventualmente, ter alguma célula em Cabo Verde”. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do
Expresso das Ilhas nº 1143 de 25 de Outubro de 2023.


Posted

in

,

by

Tags:

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *